Futuro do trabalho: tendências que irão moldar sua carreira em 2023

Jornal

Mudanças rápidas e constantes vêm impactando o mercado de trabalho e a vida dos profissionais. Reunimos aqui algumas das que terão mais força no ano 2023

1. Carreira não é mais linear

O antigo conceito de linearidade na carreira mudou com a aceleração digital. Com essa ideia, até a apresentação do currículo mudou – e os empregadores valorizam narrativas na apresentação, com experiências, propósito, sucessos e fracassos. “A gente está muito mais interessado em pessoas criativas, inovadoras e resolutivas do que naquela linearidade que a gente já estava acostumado”, diz o consultor e professor da FGV (Faculdade Getulio Vargas) Fabricio Stocker. Experiências fora do trabalho que podem ajudar em demandas profissionais, como voluntariado, por exemplo, também são bem-vindas no currículo do profissional do futuro.

2. Tecnologia vai precisar de habilidades humanas – e nova mentalidade

Há evidências de que as tecnologias podem ser usadas para aumentar a força de trabalho em vez de substituí-la. Estamos vendo que as máquinas exigem habilidades humanas em áreas como resolução de problemas, comunicação, escuta, interpretação e projetos. À medida que elas assumem tarefas repetitivas e o trabalho das pessoas torna-se menos rotineiro, os papéis poderiam ser redefinidos de maneiras que combinem tecnologia com habilidades humanas. Para que tudo isso aconteça com sucesso, porém, vamos precisar mudar a maneira como concebemos o trabalho e desenvolver treinamentos para assumir essas novas funções. Caso contrário, podemos nos sentir sobrecarregados tentando aplicar conceitos e habilidades herdados no novo e rapidamente mutante mundo da inteligência artificial.

3. Apesar das demissões, vai faltar gente para empresas crescerem

Vimos as recentes demissões em massa das grandes empresas de tecnologia, mas tendências apontam para uma escassez de mão de obra, especialmente em ramos que requerem habilidades específicas. Um estudo de 2022 da consultoria Deloitte apontou que este será um dos principais desafios das organizações no futuro próximo. Sem formação de mão-de-obra qualificada, não haverá crescimento.

4. Benefícios serão chave na atração de talentos

Benefícios serão a chave para atrair talentos – e o trabalho flexível, seja em termos de lugar ou de horas, está no topo deles, indicam pesquisas. Os funcionários também tendem a valorizar cuidados com a saúde, seja física ou mental. Levantamento do LinkedIn mostrou que os candidatos valorizam, em ordem de preferência: remuneração e ótimos benefícios; apoio da empresa para equilibrar vida pessoal e trabalho; arranjos flexíveis de trabalho, seja onde ou quando se trabalha; oportunidades de aprendizado e desenvolvimento.
Uma pesquisa do Google indicou que, para 36% dos profissionais, uma proposta de emprego tem mais chances de ser aceita caso o regime de trabalho da empresa tenha a ver com sua escolha. Manter a qualidade de vida, ou o equilíbrio entre vida e trabalho, é o fator mais importante para 51% dos entrevistados na escolha por um novo emprego. O plano de carreira vem em segundo lugar, com 49% das indicações, e o pacote de remuneração e benefícios está em terceiro, com 38%.

5. Escritórios multigeracionais já são realidade

Os locais de trabalho em 2023 serão mais diversos do que nunca em termos de idade. Levantamento da consultoria Ernst & Young feito com a plataforma Maturi, mostrou que o grupo com mais de 50 anos já representa 26% da população. A previsão é que, até 2040, 57% da força de trabalho no país tenha mais de 45 anos. Pela primeira vez, temos quatro gerações ao mesmo tempo no mercado de trabalho e esse quadro se estabelece com o envelhecimento da população.

6. Uma geração de profissionais que não quer subir na carreira

Segundo as pesquisas do professor da Berkeley, Gorick Ng, autor do best-seller “The Unspoken Rules”, menos de 2% da geração Z, nascida entre 1997 e 2002, tem a ambição de subir na pirâmide corporativa. “Talvez porque a ideia de ficar 20 anos em uma empresa possa parecer um compromisso muito grande, talvez porque o ambiente corporativo não seja mais tão legal”, diz. Não é simplesmente que rejeitem a liderança. Esses jovens querem funções menos técnicas, mais criativas e com propósito, de acordo com um relatório da plataforma Glassdoor.

7. Flexibilidade traz felicidade, engajamento e reduz turnover

Um relatório recente do Google sobre o futuro do trabalho mostra que o híbrido é a chave para atrair talentos. E um novo estudo da Tracking Happiness, com 12.455 funcionários, descobriu que a capacidade de trabalhar remotamente está fortemente ligada à felicidade no trabalho. Os trabalhadores que trabalhavam em casa 100% do tempo eram, em média, 20% mais felizes do que aqueles que não podiam ficar em home office. “Para acomodar tudo isso, as empresas terão que promover a flexibilidade, o que significa preparar os gestores e estabelecer relações de confiança entre liderança e funcionários”, diz a pesquisadora da FIA e especialista em flexibilidade, Sylvia Hartmann.
Trabalhadores com flexibilidade total de horário estão relatando produtividade 29% maior e capacidade de concentração 53% maior do que aqueles sem capacidade de mudar seu horário, indicou uma pesquisa do Future Forum, iniciativa do Slack.

8. Cresce o debate em torno do monitoramento de funcionários

O avanço das tecnologias traz novas maneiras de monitoramento das atividades dos funcionários. O mercado de software de rastreamento de funcionários apresenta rápido crescimento, mas há muitas restrições e questões morais nesse debate. Segundo o relatório do Linkedin, em 2023 os empregadores vão começar a perceber que a vigilância só está tornando as coisas piores. Trabalhadores sob monitoramento são “substancialmente mais suscetíveis a fazer pausas não autorizadas, desobedecer instruções, danificar ou roubar equipamentos do trabalho e diminuir o ritmo propositadamente”, afirmam achados publicados na Harvard Business Review por um time de pesquisadores.

9. Semana de 4 dias ganha força pelo mundo

Estamos vendo o fortalecimento da semana de trabalho de quatro dias em diversos países. Testes ocorreram na Inglaterra, Bélgica, Suécia e Islândia. E 2023 terá projetos começando nos EUA, Escócia, Irlanda, Canadá e Nova Zelândia. Reduzir o número total de horas trabalhadas pode trazer benefícios para a saúde mental e física, além de não prejudicar a produtividade, mostram estudos. “Os resultados são realmente impressionantes”, diz Juliet Schor, professora da Universidade de Boston envolvida em uma das pesquisas, a qual avaliou 33 empresas nos Estados Unidos e na Irlanda, além de uma com sede na Austrália.

10. Experiência do metaverso chegou para ficar

O metaverso pode não ter sido o que pensávamos, mas influenciou os ambientes de trabalho colaborativos cada vez mais imersivos. Meta, Microsoft e Zoom são algumas das empresas desenvolvendo plataformas e recursos de trabalho colaborativo. Ainda não se sabe se estamos prontos para começar a usar headsets de realidade virtual para trabalhar de forma colaborativa e participar de reuniões e treinamentos virtuais mais imersivos. Mas aspectos da experiência do metaverso – como avatares e ambientes multifuncionais – provavelmente terão um papel cada vez mais proeminente daqui em diante.

11. Espaços de trabalho com cara de lazer

Com o avanço dos modelos de trabalho híbrido e remoto, as empresas passam a reduzir seus espaços de escritório. Eles se tornam ambientes cada vez mais focados em colaboração e engajamento dos funcionários, com o hot desking, por exemplo, em que não há um assento fixo, e com mesas e cadeiras que se movem facilmente pelo escritório. O pet day também entra nessa conta, instituído por empresas como Nestlé onde, na verdade, todo dia pode ser pet day. Algumas empresas estabeleceram até mesmo a licença-pet.
Grandes empresas como Google, Nubank, Mercado Livre, iFood, Amazon e TOTVS também estão criando espaços instagramáveis, com decoração temática, área de jogos e academia – também para atrair os funcionários para o escritório. Companhias menores passam a optar por serviços de coworking para reunir seus times algumas vezes por mês, em vez de manter um prédio que fica vazio a maior parte do tempo.

12. Foco nas soft skills

As habilidades emocionais, ou soft skills, passam a ser mais relevantes nesse cenário de mudanças. Algumas das soft skills mais solicitadas pelo mercado hoje:

  • Inteligência emocional
  • Foco na solução de problemas;
  • Decisões assertivas e éticas;
    Cuidado com viés de julgamento;
  • Habilidades de comunicação;
  • Autogestão;
  • Colaboração;
  • Esclarecimentos sobre valores.

Leia mais em: https://forbes.com.br/carreira/2022/12/futuro-do-trabalho-as-tendencias-que-irao-moldar-a-vida-profissional-em-2023/

Projeto RH GOLIN

Amanda S.C. Fernandes – Gerência RH
Luciana Germano – Conteúdo Institucional
Márcia Borlenghi – Design, revisão e curadoria conteúdo cultural

Posts Relacionados

Nenhum resultado encontrado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.